maio 27, 2021

8 Anos de história movida a biogás

8 Anos de história movida a biogás

Em entrevista exclusiva, conversamos com Rafael González, Diretor Presidente do CIBiogás e Felipe Marques, Diretor de Desenvolvimento Tecnológico do CIBiogás para falar sobre como a cadeia do biogás vem se desenvolvendo no Brasil e como a inovação vem fazendo parte da trajetória da instituição, que em 2021, completa 8 anos.

Panorama do Biogás no Brasil

Recentemente foi lançada a Nota Técnica que referencia o Panorama do Biogás no Brasil no ano de 2020 e é possível perceber que, mesmo que ainda tímido, o setor de biogás vem crescendo de forma significativa no país.

O fortalecimento da cadeia de fornecedores nacionais tem sido um dos principais aspectos para o crescimento do setor de biogás. “O domínio tecnológico aumentou bastante nos últimos anos, entregando aos interessados em produzir biogás, plantas com propostas mais robustas.” destaca Felipe Marques.

O desenvolvimento de modelos de negócios para a realidade nacional também permitiu que mais empreendedores do biogás tenham encontrado resultados relevantes em suas plantas, com a possibilidade de atração de investimentos, acrescenta o Diretor de Desenvolvimento Tecnológico do CIBiogás.

Além disso, o debate técnico entre as lideranças das diversas esferas governamentais tem promovido maior destaque ao biogás, no que se refere ao desenvolvimento de uma legislação mais segura e possíveis linhas de créditos, com perspectivas positivas focadas na transição energética nacional.

“A modernização da matriz energética é uma realidade que o país está enfrentando. Com isso, as energias renováveis e, por sua vez, o biogás, ganham relevância política e governamental. Essa movimentação aquece o interesse de investidores, sim, mas também acaba trazendo em pauta o tratamento de resíduos como uma solução polivalente para demanda energética, ambiental, econômica e social.” Comenta Rafael González.

Biogás: uma fonte energética circular e resiliente

A transformação da biomassa oriunda dos dejetos animais, resíduos agroindustriais e resíduos sólidos urbanos oportuniza, não apenas a geração da energia térmica ou elétrica a partir do biogás produzido, mas também, a obtenção de produtos secundários de alto valor agregado como o biometano e o biofertilizante.

A versatilidade do biogás amplia as oportunidades de geração de renda e vai de encontro às políticas de mitigação das mudanças climáticas. É possível perceber uma característica singular da cadeia do biogás que traz, na prática, o conceito de economia circular e desenvolvimento sustentável. Além disso, incentiva a descentralização na geração, não apenas de energia, mas também na geração de recursos, favorecendo o desenvolvimento econômico local.

O Brasil tem clima favorável, dimensões continentais e uma atuação econômica nacional e internacional que resulta numa alta concentração de produtos que devem ser convertidos em ativos energéticos, comenta Rafael González. Por esta e outras razões, o Brasil pode ser o grande protagonista mundial na cadeia do biogás, reunindo as melhores características para se estabelecer como referência em sustentabilidade energética.

Felipe Marques destaca que em pouco tempo, o agronegócio brasileiro poderá se apresentar ao mundo como o mais verde do planeta. “Um exemplo para ilustrar são os caminhões da logística de transporte do interior para os portos rodando com biometano e gás natural. Outro exemplo, são os resíduos urbanos orgânicos sendo utilizados para produzir biometano para o transporte público. Dois exemplos que conectam com a circularidade e regionalização econômica.” acrescenta Felipe.

Dados apresentados pela ABiogás apontam que o biometano pode suprir até 70% da demanda de diesel. O BiogásMap, ferramenta digital desenvolvida pelo CIBiogás, indica ainda um crescimento no número de plantas de biometano, de pequeno a grande porte, em torno de 6x mais no ano de 2020 se comparado ao ano de 2019.

O presidente do CIBiogás, Rafael González, ressalta que o Brasil tem potencial para produzir 82,58 bilhões de metros cúbicos ao ano, considerando os setores sucroenergético, saneamento, proteína animal e produção agrícola (ABiogás, 2021). Deste potencial, no último levantamento do CIBiogás, aproveitamos apenas 4% (1,83 Nm3/ano).

Se compararmos o cenário brasileiro, ao mercado internacional como o da Alemanha, por exemplo, é possível perceber que mesmo em condições não tão favoráveis como as do Brasil, a Alemanha vem liderando o mercado de biogás. “O que falta é ter leis e incentivos fiscais, maior divulgação de ações e projetos de sucesso, desenvolvimento de políticas públicas e agenda política estratégica para dar atenção à fonte no Brasil.”, destaca o presidente do CIBiogás.

8 Anos de muita energia movida a biogás e inovação

O CIBiogás e seus associados já vem contribuindo há 8 anos pelo menos para a democratização do biogás, entregando projetos de Pesquisa & Desenvolvimento, estruturando novas modelagens de negócios e arranjos produtivos, além de informação de alto nível e capacitação de mão de obra especializada. São diversas linhas de atuação e sabemos que podemos produzir biogás em todos os estados brasileiros, mas ainda queremos mais, queremos que o Brasil todo tenha acesso aos benefícios do desenvolvimento deste energético em nossa matriz.

Inovação é nosso café da manhã no CIBiogás. Me orgulha o time inquieto que temos, buscando sempre formas de produzir mais biogás, aumentar performance, modelar novos negócios, aproximar fornecedores e desenvolver novas tecnologias. Temos um ambiente crítico, cooperativo e colaborativo no nosso centro, focado no pensamento criativo e inovador.” destaca Felipe Marques.

Rafael González acrescenta que a inovação é a essência da instituição. “A partir do momento que desenvolvemos uma solução, ela é entregue à cadeia de biogás e a nossa equipe busca trabalhar para melhorar o que foi entregue e/ou encontrar outras questões para solucionar. Essa é a nossa missão. Partindo deste princípio, entendemos que “pensar fora da caixa” é essencial quando temos que lidar com recursos, desenvolvimento de conhecimento e pesquisas… e esses são os nossos grandes desafios”.

Atualmente, o CIBiogás domina o conhecimento técnico das tecnologias existentes no mercado interno e de seus custos, e busca sempre aprimorar seu know-how por melhores performances e técnicas de aproveitamento total da biomassa, inclusive buscando parcerias nacionais e internacionais para aperfeiçoamento tecnológico e econômico.

Nos 8 anos do CIBiogás são os desafios que motivam o progresso. O presidente da instituição cita com orgulho a estruturação do Laboratório de Biogás, que neste ano completa uma década de atuação dedicada ao ensaio de biomassa, e que hoje analisa diariamente como fazer com que plantas de biogás performem cada vez melhor. “Recebemos amostras do mundo inteiro, e seguramente temos o maior banco de dados relacionados à produção e potencial de biogás do Brasil. Além de gerar esses dados, administrá-los de forma adequada, respeitando as características de cada região e cliente, e adaptando as soluções também é um grande desafio.” complementa.

As novidades do CIBiogás ainda para este ano são: linhas de crédito/financiamento destinadas ao produtor rural, grandes parcerias com municípios para utilização do biogás e biometano de aterros para produção energética, arranjos coletivos robustos para tornar cidades mais sustentáveis, com o desenvolvimento da bioeconomia regional e também a utilização do biometano em veículos pesados.

Para saber mais acesse: https://cibiogas.org/

Sobre Rafael Hernando Aguiar Gonzalez:

Engenheiro Ambiental e mestrando em Engenharia e Tecnologia Ambiental pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Há mais de 10 anos atua na captação e gestão de projetos na área de energias renováveis. Participou do desenvolvimento do Plano de Negócios e estruturação do Centro Internacional de Energias Renováveis, CIBiogás, em 2012. Em 2016 assumiu a Diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e em 2020 assumiu a Diretoria Presidência do CIBiogás, conduzindo projetos estratégicos e consolidação empresarial. Atualmente é conselheiro da Associação Brasileira de Biogás (ABiogás) e do Conselho Diretivo do Projeto GEF/Brasil – Biogás (Aplicações do Biogás na Agroindústria Brasileira).

Sobre Felipe Marques:

Felipe Marques atua há mais de 10 anos no setor de biogás, com maior ênfase no desenvolvimento de arranjos tecnológicos e de negócios em energia e sustentabilidade no mercado brasileiro. No agronegócio participou de projetos com modelos inovadores, como condomínios de agroenergia, mobilidade a biometano, geração distribuída e microgrids. Esteve à frente da empresa Bioplan Biogás por três anos e atualmente é diretor de Desenvolvimento Tecnológico do Centro Internacional de Energias Renováveis – o CIBiogás. Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio pela UNIOESTE, cuja linha de pesquisa se objetiva no estudo das cadeias produtivas do biogás. Felipe é Engenheiro Ambiental, mestre em Geografia, Meio Ambiente e Desenvolvimento e possui MBA em Gerenciamento de Projetos.