janeiro 7, 2020

Work in the Digitalized World | Tendências 2020+

by nrghub in Especialista, NRGHUB

A economia digital chegou para ficar, e muitos aspectos do mundo em que vivemos, incluindo o conceito de trabalho, vão mudar, possivelmente de forma dramática.

É claro que a digitalização não apenas fornece novos benefícios e reduções potenciais na carga de trabalho, mas também apresenta grandes desafios na criação da organização do trabalho de maneira que promova o bem-estar e o aprendizado. Especialistas apontam que a digitalização pode gerar sobrecarga aos funcionários e que, no futuro, o trabalho implicará mais frequentemente no monitoramento do que o desempenho real das tarefas. Nesse contexto, a otimização pura por meio da tecnologia não é o problema, mas sim como organizar a colaboração entre humanos e tecnologia de maneira positiva.

É apontado que são três os grandes fatores que mudam a essência do trabalho: Primeiro, mudanças nos seres humanos e na sociedade em que o trabalho é realizado. Os tópicos aqui incluem maior individualização devido a novos valores e estilos de vida, o envelhecimento da sociedade no curso das mudanças demográficas, o desenvolvimento de uma nova consciência de saúde física e psicológica, bem como o aumento da diversidade social e cultural entre os funcionários e potenciais conflitos associados. O segundo impulsionador da mudança abrange os modelos de negócios em evolução que estabelecem novas redes de criação de valor por meio de infraestruturas digitais. Isso inclui tendências na direção do foco no cliente e na diversidade de fornecedores, bem como o desenvolvimento de pacotes de serviços individualizados nos respectivos contextos, em todo o ciclo de vida do produto, em qualquer lugar e a qualquer momento. A digitalização está mudando as atribuições de trabalho e. g. no que diz respeito à maior individualização de produtos e serviços e na gama crescente de variações. Soluções específicas para cada cliente devem ser formuladas em conjunto com o cliente, resultando em demandas maiores por funcionários e com flexibilidade de tempo, por exemplo. O terceiro driver consiste em novas tecnologias que levam a grandes disrupções em um mundo cada vez mais digital e em rede. Promovendo uma organização do trabalho para um ambiente em rede e flexível, ou seja, Design do Trabalho no processo de transformação digital.

Numa natureza mutável do trabalho: como a tecnologia remodelará o que significa ser um funcionário? A inovação tecnológica já está mudando visivelmente a dinâmica do emprego. A “economia GIC” abriu uma enorme variedade e flexibilidade no trabalho, à medida que os trabalhadores GIC pegam trabalhos especializados e rápidos e os empregadores mergulham num modelo de trabalho baseado em task-force. Mas, talvez de maneira mais sutil e lenta, a tecnologia também está mudando o que significa ser um bom funcionário. Os “melhores” funcionários geralmente são aqueles que podem alavancar essas inovações tecnológicas.

Equipes híbridas: IA e Humanos

Com a adoção da IA, robótica e RPA (Robotic Process Automation), a composição de equipes híbridas se expandiu para incluir equipes nas quais os humanos confiam nas contribuições de robôs/hardware e software habilitados pela IA para realizar seu trabalho. Essas equipes apresentam aos gerentes novos tipos de desafios, desde motivar os membros da equipe humana até otimizar as interfaces Humano-AI e definir a responsabilidade pelo desempenho.

O Relatório “O Futuro dos Empregos de 2018” do Fórum Econômico Mundial (WEF) discute o crescente “imperativo de qualificação de pessoal”, observando que “até 2022, nada menos que 54% de todos os funcionários exigirão requalificação e qualificação significativa”. (Centre for the New Economy and Society 2018).

As mudanças baseadas pela adoção de IA no futuro do trabalho criarão novos desafios de gerenciamento na próxima década. E se concentra no desenvolvimento de três itens que exigirão repensar significativamente as estratégias de gerenciamento da força de trabalho de hoje. Que são:

  • Mudanças disruptivas na composição da força de trabalho na maioria das organizações globais
  • Necessidade de acelerar as estratégias de aprimoramento, reciclagem e multidisciplinaridade, à medida que os requisitos de posição e a composição da força de trabalho mudam de acordo com o ritmo da IA adoção
  • Surgimento de uma nova forma de equipes híbridas nas quais funcionários em período integral e parcial trabalham diretamente com robôs e outros tipos de assistentes habilitados pelo IA, bem como em categorias remotas, independentes e outras categorias de trabalhadores humanos.

É necessário redesenhar o fluxo de trabalho para se beneficiar da adoção do Al.

Desenvolver best-practices para otimizar as interfaces entre humano-robô/IA, a responsabilidade e produtividade em equipes híbridas.

Essa transformação, explora a evolução do trabalho humano em novos padrões no futuro. Discute o grande potencial de capacitar trabalhadores humanos para a colaboração homem-máquina, combinando inteligência humana (HI) com inteligência artificial (AI) – (HI + AI), que se propõe a transformar os padrões de trabalho em vez de substituir os trabalhadores do futuro. O rápido progresso na ciência e nas tecnologias, como a Internet das Coisas (IoT), big data, robótica e inteligência artificial (IA) gera uma transformação inevitável nos padrões de trabalho humano e nas habilidades necessárias para o trabalho.

Impulsionados pela IA e pela tecnologia IoT, muitos novos conceitos e possibilidades de serviços inteligentes se espalharam pelo mundo todo. Vários dispositivos de inteligência artificial com internet das coisas (AIoT), bem como soluções integradas de software e hardware, viabilizaram novos produtos/serviços como: entrega por drone, táxis não tripulados, loja de autoatendimento, banco de autoatendimento, hotel de autoatendimento, pagamento por voz, o pagamento por face-scanning, mesas de jantar inteligentes, painéis interativos de publicidade, prateleiras inteligentes, robôs sociais emocionais, robôs de navegação comercial, robôs de entrega, robôs de logística de armazém, robôs de inspeção etc. Isso já é realidade em muitos locais e é possível visualizar muitos outros avanços ainda, conforme apontado pelo Gartner nas figuras a seguir.

Fonte: Gartner

Fonte: Gartner

Fonte: Gartner

 

E ainda, com o Digital Twin, uma representação dinâmica no mundo digital de um objeto físico que permite que modelos virtuais no mundo digital interpretem, interajam e integrem o status desses objetos físicos, auxiliados por contínuas transmissões de dados em tempo real usando sensores. Por meio do processo de análise, monitoramento, controle, simulação, previsão e recomendação, os gêmeos digitais (Digital Twin) oferecem uma maneira poderosa de criar e aprimorar valores econômicos dos ativos, processos e serviços físicos. O conceito de gêmeo digital vem sendo estendido para uma nova estrutura conceitual que engloba Device Twin, Human Twin, Process Twin, Demand Twin e System Twin, conforme ilustrado e descrito abaixo.

Fonte: Gartner

 

Todos esses novos conceitos e tecnologias emergentes darão forma ao trabalho do futuro e consequentemente as competências necessárias para ter sucesso nele.

 

Zózimo
SingularityU Curitiba-Chapter Leader

https://global.su.org/chapters/curitiba

Founder Project Design Management magazine http://projectdesignmanagement.com.br/

Singularity University Practicing Exponential Foresight; Design Innovation Leadership – Executive Program MIT – Massachusetts Institute of Technology; Design Innovation Management Conference 2019 – Loughborough University, London-UK. Global Project Management at the George Washington University – GWU.